DOS CARNAVAIS SAUDOSOS


Falamos, nestes dias, em várias rodas, do Carnaval da Saudade. A festa do Náutico Atlético Cearense já chega ao seu cinquentenário. Vale dizer que as músicas de carnaval compostas na década de 1960 e nas três seguintes podem hoje perfeitamente ser incluídas no rol das... saudosas. Em 1967, não entravam na lista simplesmente pelo fato de terem sido concebidas naquele tempo, não se constituindo, portanto, saudade. Saudade como resultado de pelo menos duas décadas passadas.  Hoje é diferente: há pressa em dizer-se que algo é do passado.

Cinquenta anos! Desde 1966, eu morava vizinho à casa de Christiano Câmara, o primeiro organizador do entrudo. Lembro dos ensaios  com os músicos da terra, do desejo inarredável de Christiano de que os arranjos permanecessem fieis aos originais... Lembro do Dr. Helano Studart Montenegro, diretor do Náutico à época,  idealizador e também operador do evento.  Lembro do apreço aos compositores dos anos 1930 e 1940, especialmente Noel Rosa, Lamartine Babo, Ary Barroso, João de Barro, Ataulpho Alves e outros mais. E em se tratando de carnaval... Lembro que participei de algumas gravações de anúncio das músicas para a Festa das Nações daquele ano, também no Náutico. Com certeza, esses arquivos estão guardados no vastíssimo acervo daquele verdadeiro museu. Vem-me à memória uma marchinha por mim anunciada, cantada por Dalva de Oliveira, dentre as mais antigas da diva da música brasileira, durante décadas. Aquele evento revestia-se, de primeiro, de uma aura, digamos, nostálgica. Os mais interessados em ouvir as famosas marchinhas, sambas e marchas-rancho eram os de cabelos prateados... As músicas de carnaval eram mais músicas, ou melhor, tocavam mais ao ouvido da gente do que as de hoje?...  Curioso: em 1967 eu tinha 18 anos! E agora, 50 anos depois, são os mais jovens a inundarem os salões do Náutico. Àquela época, eu acompanhava o Christiano e a Douvina, sua mulher, ao Náutico, mas eu era franca minoria, entre os demais, em se tratando de faixa etária.

O que mudou? Além do enorme sucesso do evento, uma coisa parece certa: as músicas que se ouvem hoje no Carnaval da Saudade são menos... saudosas. Será por isso que os jovens sentem-se mais atraídos à festa do que os que têm hoje mais de 60 anos? Não será que figuram hoje no rol das músicas do Carnaval da Saudade músicas compostos, a bem dizer, ontem? São perguntas cujas respostas podem variar a cada um que as pretenda responder.

LM
Publicado no O Povo em 14 de fevereiro de 2017