A ROSA SINGELA
A Durval Aires, in memoriam


As crianças são os artesãos do sonho.
Nos mais longínquos e esquecidos subúrbios
do País
passeiam esperanças descalças
na busca ingênua de uma rosa.
As crianças nada prometem.
Presenteiam toda a esperança
sem se darem conta da importância
de sua pequenina mão solidária.
A descuidada rosa, a frágil flor
que pende entre as pedras toscas
de um bairro qualquer da cidade
a flor-sem-nome que balança ao vento
de uma tardezinha camponesa
são prendas singelas da infância pobre.
Mostrar essas flores e lembrar
a existência do sonho...
Entregar aos adultos
(a quem fabrica bombas)
a dádiva de um sonho
é o derradeiro possível gesto de ternura
de que só as crianças são capazes
com sua pequenina mão solidária.