Canção de remo e de vela
(Josep Maria de Sagarra – Luciano Maia)

Por entre as barcas, se passa o amor
não leva a fúria de faces beijadas.
O amor que passa na beira do mar
é azul verdoso e flexível como a água.

Para que à praia aporte o amor
temos de ter um instante de calma
e uma gaivota no céu serenado
uma gaivota e uma água azulada.

O amor que passa na beira do mar
quer que suave balance-se a barca
quer sobre a vela um pouquinho de vento
porque tem medo de errar entre as vagas.

Quer que uma face se deixe beijar
mas que demonstre ser mui recatada.
O amor jurado na beira do mar
é um amor de bem poucas palavras.

Por entre as barcas, se passa o amor
não quer gemidos, nem choro ou risadas.
O amor que passa na beira do mar
é um suspiro que pulsa como a água.