NOCHE GITANA

Desprende-se uma nota da guitarra
e sobe, a cintilar naquela estrela
tremeluzindo... O gitano, ao vê-la
eleva a voz que ao alto se desgarra.
Foi-se o verão na noite em que a cigarra
foi baixando sua voz, até perde-la
entre as folhas do outono, quando pela
vereda finda a vibração bizarra.
E o cantador, agora sob o açoite
do vento da estação, em fria noite
canta ainda, mas já sem companhia.
Pois esta é a sina de qualquer gitano:
cantar sozinho a morte e o desengano
sob as quatro estações da Andaluzia.