SONETO DA TARDE CÚMPLICE

Tu estavas mais nua que jamais
e me deste na tarde que inventaste
os beijos prometidos e ancoraste
o meu barco ofegante no teu cais.
Somas paixões e dúvidas subtrais
e aos nossos corpos juntos tu ateaste
um fogo de quenturas abissais
flor em delírio na pulsante haste.
Foram horas de voos e funduras
e quando se fez noite entre as escuras
vozes do vento, ainda havia luz
em nosso peito quieto e confortado.
Amei, querida, e quanto tens amado
na tarde que nos une e nos seduz!