A BARBÁRIE VERTICAL


O termo bárbaro, na antiguidade helênica, designava alguém que não falava o grego. Esse conceito migrou para Roma com o seu sentido ampliado: alguém que não falava grego ou latim, uma pessoa que não comungava da herança greco-romana. Depois, a semântica tratou de ampliar mais ainda o seu significado: todo indivíduo pertencente aos povos ditos migratórios (vindos, especialmente, da Europa oriental: godos, eslavos... e da Ásia: hunos, búlgaros...) que participasse das investidas contra o império romano, e depois, em época mais recente, turcos, húngaros e outros, todos, segundo a percepção romana, brutos, sanguinários e estupidamente ignorantes. Estes últimos, diga-se, civilizaram-se no contato com os povos europeus por eles dominados. Essas invasões, ditas bárbaras, deram-se de forma, digamos, horizontal: chegavam os invasores, ocupavam os territórios cobiçados e terminavam por assimilar a cultura ocidental, àquele tempo consubstanciada no legado greco-romano.
Hoje, no Brasil (vale para outros países, evidentemente) assistimos a uma invasão bárbara vertical (expressão tomada a Walther Rathenau (1867-1922), verificada em duas vertentes: no campo afetivo e no campo cultural. Naquele campo, observamos que supervaloriza-se a força do corpo em detrimento da mente, do efêmero pelo duradouro, do espetacular pelo verdadeiro, do visual (e virtual)  sobre o auditivo, da memória mecânica em detrimento da memória de ideias, da apologia sexual,  da disseminação do mau gosto, da valorização do criminoso! No contexto da apreciação das manifestações culturais, dá-se um verdadeiro desprezo pela inteligência, a barbarização da ciência, a omissão sobre quem sabe pensar, um verdadeiro diálogo de surdos! A tendência de vulgarizar o escopo real da obra de arte, inserindo-se, na produção de obras duvidosas, acintes à inteligência, agressividade oca e gratuita...
Este cenário, bem característico dos atuais dias (e anos!...) em nosso país, é nutrido pelos meios de comunicação de massa, dia após dia... A espetacularização do noticiário ainda choca o espectador? Tentativa debalde, pois o que se apresenta aos seus olhos e ouvidos são de uma mediocridade que dói... Apenas realimenta a sua ignorância. Os arautos dessa invasão bárbara vertical não querem se dar conta do incalculável prejuízo causado por esse frenesi, ao fim e ao cabo, sem nenhum sentido, a não ser o da dominação, com a condenação dos demais à ignorância compulsória.

Publicado em O POVO, em 12 de dezembro de 2017