UNIVERSO E LUZ

Sob o arco azul de estrelas matizado
guardo em meu peito funda reverência
ao infinito sopro, cuja essência
se imprime em cada ser vivificado.
Sinto o quanto esse lume, penetrado
de outra luz, preenchendo toda ausência
acende em tudo a cósmica consciência
vertida no infinito constelado.
Ó força sem medida! Ó penetrantes
luzes que em nós são mágicas respostas
às perguntas das dúvidas constantes!
Neste momento, em que meu pobre verso
persegue melodias descompostas
cantam por mim as luzes do Universo.