OLINDA 

Lembro-te agora, em épico passado
e em cantochão soturno de Convento
mirando desde o alto o mar sagrado
verde-azul, com seu lume  de espavento.
O limo invade o verde nacarado
das escadas do Pátio de São Bento
que se veste de lua, matizado
em cor de sal, de chuva, sol e vento.
Reza a lenda: em cima deste outeiro
ao avistar embaixo a água infinda
disse aquele Duarte, em tom certeiro
repercutindo em nosso tempo ainda:
- Ó linda situação para um mosteiro
 e uma cidadela! E Eis Olinda!