ARGENTI SITIS

Sequiosas agitam-se as pessoas
em quefazeres de sua vida insana.
Não têm sossego, já ninguém se irmana
em lograr para outrem coisas boas.
Repetem ladainhas, cantam loas
à lei do argento, a que a vida dana.
A corrida à riqueza o ar profana
e aos ímpios lhes põe falsas coroas.
Reinados de ilusão... quedas fatais
ao longo de árduas e dementes lidas
do querer ter a mais e sempre a mais.
Depois, as existências exauridas
no perdulário tempo, tão falaz
sem memória deixar de suas vidas.