PROFISSÃO DE FÉ

Das luzes ocas e artificiais
quero distância... Em nada me apetecem.
Prefiro a noite antiga nos vitrais
das velhas casas... Sóbrios, emudecem.
Caminho sob as luzes ancestrais
dos bisavós risonhos que adormecem
seus vultos junto à calma dos quintais
e em meu sonho presentes permanecem.
Convida-me, ó Musa, emocionado
escutarei a oração que é tua
e se oferece inteira ao convidado.
À sugestão me inclino, que da lua
me guia por caminho insuspeitado
longe do estéril turbilhão da rua.*




                                        *Último verso: Olavo Bilac.